quarta-feira, 29 de junho de 2011

Diálogos na capital

Hoje ao fazer uns km's a pé em Lisboa passei por muitas pessoas e ouvi muitas pessoas a falar. Vou partilhar 2 desses diálogos.

I - Três colegas de trabalho saem da empresa...

Uma diz algo do género: "Hoje o chefe embirrou que vinha de chinelos, isto não são chinelos são sandálias!!"
Outra responde: "Pois, também já me chamou a atenção porque um dia vim trabalhar de cai cai"

II - Uma rapariga na casa dos 30 passeia um cão e fuma um cigarro,

Passa por um casal que está sentado num banco.

Após trocarem cumprimentos ele diz: " Isso é um charro? Deixa-me lá dar uma passa!"
A rapariga responde com profunda tristeza: "Não, por muito pena minha não é um charro!"

E assim vai a nossa cidade!!!

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Thank You #1

Hoje começo uma nova rubrica: "Thank You". Para agradecer a pessoas que me inspiraram, nomeadamente figuras do desporto.

Começo hoje por Zinedine Zidane, que hoje celebra o seu aniversário.




Nasci em 1985 e lembro-me de futebol mais ou menos desde o ano de 1993.

Nestes últimos 18 anos, houve vários jogadores que admirei. Zidane foi um deles, talvez o maior deles todos.
Hoje faz 39 anos. Parece que já foi há uma eternidade que deixou de jogar futebol, tal foi o vazio que deixou nos campos. Felizmente hoje o RM tem um novo maestro no meio campo, que me faz lembrar o grande Zidane, veremos que marca deixa no futebol.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

O "canito" seguiu a sua vida

Após dois dias a dormir no meu quintal, decidiu seguir a sua vida.

Ainda bem! Livrou-me de trabalhos maiores.

Ainda assim, deu que pensar. Será que se perdeu? Será que o abandonaram? Será que estava a morrer por ser velho? Será que o trouxeram até aqui à praceta de carro?

Não sei! Sei que entrava no carro sempre que abria a porta. Que não tinha medo de pessoas. E que depois de ter sido dada a volta ao bairro não encontrou a sua casa. Por isso julgo que estivesse doente e o vieram aqui trazer de carro, para bem longe de casa.

Enfim, há gente assim....

quarta-feira, 15 de junho de 2011

terça-feira, 14 de junho de 2011

Reestruturação do Lloyds

Hoje em dia, quando as empresas estão a passar dificuldades (lucros inferiores ao pretendido) a solução mais simples e comum é despedirem-se milhares de pessoas.

Hoje foi anunciado na comunicação social que o Lloyds Banking Group, que tem aproximadamente 100 mil trabalhadores, vai despedir 15 mil. Ou seja, 15% da sua força de trabalho. Depois de no ano 2009 terem despedido 28 mil pessoas.
O rosto deste despedimento é o Português António Horta-Osório.

Uma empresa que foi a falência com a crise internacional, o governo injecta dinheiro dos contribuintes para salvar o banco e o plano estratégico passa por despedir 43 mil pessoas em 2 anos.

Resultado da "reestruturação"?

"Despite steering Lloyds into one of the biggest bailouts in financial history, Mr Daniels took home £2.6million in salary and bonus last year and could receive a further £1.3m in long-term incentives."

Hmm, está certo! O tempo dirá o que vai acontecer.

Ainda assim, continuam a recrutar trabalhadores.

Well Done!!!

domingo, 12 de junho de 2011

Analistas Financeiros vendem gato por lebre

Este é o título de uma notícia de hoje, que diz que os analistas financeiros vendem gato por lebre. Quem o diz é a CMVM. Mas qual é a novidade?

Então um analista financeiro prevê que as acções de uma determinada empresa subam 20% em 6 meses e vai informar o mercado disso? Se ele soubesse que isso teria uma forte probabilidade de acontecer, o que faria era comprar as acções e ficar caladinho. Ou não?

Por isso é que 57% das recomendações é de "compra", para ver se enganam mais uns quantos (como eu).

Dizem ainda que: "A capacidade de acerto dos analistas financeiros é reduzida" e que mais de 80% das previsões tem erros superiores a 10% da previsão inicial.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Ministros do novo governo

Muito se fala de futuros ministros do governo PSD-CDS. Estou convencido que se PPC se rodear de boa gente, é capaz de se aguentar até ao final da legislatura e depois nessa altura avaliaremos o seu desempenho. Caso se deixe enrolar e convide apenas políticos para os ministérios, dificilmente chegará ao Verão de 2013 como PM.

Vou sugerir alguns nomes como possíveis Ministros. Não sei qual a preferência política das pessoas, nem tão pouco se estão disponíveis para aceitarem tal responsabilidade. Mas como cidadãos Portugueses e como pessoas activas na nossa sociedade, lembrei-me delas.

António da Câmara - Um homem da Ciência, um empreendedor. Sugestão para o Ministério da Ciência e do Ensino Superior, poderia partilhar a pasta da Economia.

José Epifânio da Franca - Outro homem da Ciência, outro empreendedor e com visão para o futuro de Portugal. Tal como António Câmara, poderia ocupar o Ministério da Ciência e do Ensino Superior e da Economia.

Vítor Bento - O mais provável candidato a Ministro das Finanças.

Para a Administração Interna, julgo que poderia avançar Paulo Portas. Há tantos anos que fala de justiça, de prisões, de polícias. Está na hora de assumir a responsabilidade.

Para o Ministério da Justiça, um dos mais importantes, proponho o Prof. Germano Marques da Silva. Nesta área é necessário gerar um amplo acordo de Estado, de modo a remarem todos para o mesmo lado. Parlamento + Magistrados + Polícias + Advogados, todos devem trabalhar no sentido de melhorar uma das piores áreas do nosso País, a Justiça. Estou convicto que o Prof. Germano Marques da Silva seria uma voz a ser ouvida por todos estes agentes.

Estes são os Ministérios que considero fundamentais para Portugal sair da crise económica/financeira em que se encontra: Economia, Inovação, Finanças, Justiça + Administração Interna.

terça-feira, 7 de junho de 2011

Resultado das eleições

Há uns dias falei da possibilidade de um partido que não está representado na AR eleger um Deputado.

Essa possibilidade não se concretizou.

Um dos motivos pelo qual não se concretizou é a forma como são eleitos os Deputados, através de uma série de círculos eleitorais.

Em seguida apresento as percentagens de votos, o número de Deputados eleitos até agora (226 dos 230) e a percentagem de deputados que cada partido elegeu.




Observamos que há dois partidos claramente beneficiados com o sistema actual, o PSD e o PS. Têm 38.63% e 28.05% dos votos e 45.65% e 31.74% dos deputados (e ainda vão somar mais deputados cada um).

Os restantes partidos têm uma percentagem de deputados inferior ao número de votos.

Uma das sugestões que dei, e há muitas pessoas que o defendem, é haver um único circulo eleitoral. O que aconteceria nesse caso?




Considerando a eleição de 230 Deputados, o PSD teria menos 9 deputados e o PS menos 4. Apesar desta perda, ainda teriam uma percentagem de Deputados superior à percentagem de votos. Os restantes partidos teriam um ganho significativo de deputados: o CDS mais 5; o PCP mais 3 e o BE mais 4.
Com um único circulo eleitoral teríamos mais 3 partidos representados na AR: 2 deputados do MRPP; 2 deputados do PAN e 1 deputado do MPT.
Seriam necessários cerca de 22.500 votos para eleger um deputado. O que equivale a 0.4% dos votos. Considerando que temos 230 Deputados, cada deputado equivale a 0.43% dos votos.

Moral da história: Os partidos que têm a capacidade para alterar a lei eleitoral seriam os mais prejudicados com a alteração. Esta é a razão pela qual dificilmente a lei será alterada. Não deixariam de estarem beneficiados pelo método de Hondt mas um único circulo eleitoral permita uma maior representatividade dos votos na AR.

sábado, 4 de junho de 2011

Jobs for the boys

Amanhã há eleições e o candidato do PSD a PM tem dito várias vezes que com ele não há jobs for the boys; que "os "espertalhões que sabem colocar-se na hora certa" ao lado de quem "vai ganhar" não vão ter lugar nos cargos do Estado"; diz que promete"não examear a administração pública de quadros do partido"; e companhia limitada.

É óbvio que se tem de limpar das empresas públicas e das empresas privadas que vivem à conta do Orçamento de Estado os abana-bandeirinhas dos partidos.

Mas fazer passar a ideia que se é diferente dos outros quando na prática se faz parte do esquema de "Jobs for the Boys" não fica bem a ninguém.

Eu gosto de números, não gosto de conversa. Por isso deixem lá o passado que ninguém tem moral para falar e mudem é a prática do futuro que aí vem.

Ora vejam:



Pedro S. Martins, 2010. "Cronyism," Working Papers 37, Queen Mary, University of London, School of Business and Management, Centre for Globalisation Research.